Search Results For : Opinião

Três motivos para acreditar que 2017 será diferente de todos os outros

Nação do Maior do Mundo;

 

O São Paulo de 2017 será bem diferente de todos os demais anos de sua história.

 

Não é papo de primeiro de janeiro. É fato. Inevitavelmente, o clube terá um ano muito peculiar e precisará conduzir muito bem as novidades que vem por aí para que não se perca nas transformações.

 

O Novo Estatuto, que estará em vigor em abril (juntamente com as eleições para o novo presidente) foi concebido em longos meses e iniciará um caminho sem volta para um clube que passou boa parte dos seus anos muito bem sucedido sob o regime amador. O futebol mudou, os clubes brasileiros estão evoluindo e o São Paulo precisou se adaptar, começar com a adesão ao Profut, a descentralização do poder do presidente e a extinção dos cargos nomeados, aqueles que qualquer pessoa pode exercer, desde que ela seja aliada ou ‘combinada’. Resumidamente: mais especialização e menos política. O grande desafio será fazer essa nova roda girar, principalmente encontrando consultores profissionais de confiança, isenção, competência e ao mesmo tempo disponibilidade para ingressar no conselho administrativo, que terá elementos vitalícios e viciados na política de clube. Quem quer que seja o novo presidente em abril, a gestão será acompanhada por este futuro conselho administrativo, que terá três consultores isentos entre nove membros. Um passo em falso e os abutres voltarão com seus dedos. “Eu avisei, vamos voltar ao que éramos antes”. Todo cuidado é pouco.

 

Dentro de campo a novidade é Rogério Ceni. O novo treinador do São Paulo é uma doce incógnita, escolhida a dedo para fazer com que 2017 seja realmente peculiar. Rogério vem com gás, novos métodos, experiência de anos e anos nos gramados e a plena confiança do torcedor. Com ele, o jogador que não se dedicar sabe que será massacrado publicamente pela opinião mais voraz do futebol, a de quem paga o ingresso. Isso porque Rogério será o último a ser poupado, pelo menos nos seus primeiros doze primeiros meses.

 

Por último, mais uma grande quebra de paradigma. A Base Tricolor obrigatoriamente mais presente. Cotia é linda, mas não dá tanto resultado quanto o torcedor espera. Isso pode mudar. Em 2017 veremos um São Paulo com muitas caras literalmente novas nos treinamentos e rachões da Barra Funda. Isso porque a nova medida de subir todos os atletas acima de 20 anos entrou em vigor neste ano. Para que isso acontecesse, no ano passado o clube reformou todos os contratos dos seus jovens. O trabalho ‘invisível’ e brilhante do futebol do São Paulo em 2016 fez com que praticamente todos os atletas de 20 anos para baixo fossem agora de propriedade econômica predominante ou total do clube. A pergunta a ser respondida neste ano é: “os jovens, antes inibidos com a vinda de contratações de fora agora inibirão os reforços?” Ainda é cedo para avaliar se será bom ou ruim em questão de glórias e títulos para o torcedor, mas sem dúvida a novidade mexerá muito com a estrutura de transição Cotia/Barra Funda.

 

São novidades para lá de inéditas para um clube que sempre se caracterizou por ser fechado, de regime quase militar. Veremos como Cotia se sairá, assim como a implementação do novo estatuto e o trabalho do novo velho conhecido do torcedor brasileiro. Porém, a mudança é tão certa como a célebre canção de Lulu Santos: “nada do que foi será, de novo do jeito que já foi um dia”. 

 

Um bom 2017 para todos nós.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Necessidade pode fazer meia da base ter a mesma trajetória de Kaká

Nação do Maior do Mundo;

 

O São Paulo não deve contratar um camisa dez para o primeiro semestre de 2017.

 

Com poucas e difíceis opções no mercado brasileiro e sul-americano, Rogério Ceni deverá a princípio subir o jovem meia Shaylon para o profissional, inclusive, levando-o com o elenco para os Estados Unidos.

 

Não era essa a previsão inicial do clube. O jovem catarinense de 19 anos, comprado recentemente pelo Tricolor junto a Chapecoense, seria uma das estrelas do São Paulo na Taça São Paulo Futebol Junior. A necessidade de subir o garoto casa com uma boa oportunidade, já que Jean Carlos, contratado junto ao Vila Nova e sem evolução nos treinos, será liberado para o Goiás e Lucas Fernandes está em fase final de recuperação de lesão e ficará no Brasil.

 

Kaká (que levava o nome Cacá no início de sua carreira), teve uma trajetória parecida. O meia era reserva do sub20 (o titular era Harrison) e, por uma questão de necessidade, teve a oportunidade de subir no início de 2001 e despontar após três jogos, sendo peça fundamental na conquista do torneio Rio-São Paulo da época. Longe das comparações entre jogadores, até porque Kaká foi mais veloz e vertical no início da carreira, mas Shaylon pode traçar o mesmo destino. O meia tem uma ótima visão de jogo, facilidade na armação e finalização.

 

Rogério deverá definir nesta sexta os nomes dos atletas que estarão na Flórida para a pré-temporada do Tricolor, na IMG Academy Pro & Team Training, a casa do clube em janeiro. David Neres está fora da lista. Enquanto isso o clube se dedica a aquisição de um atacante de área e um volante de contenção.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Ainda falta um craque na equipe de Rogério Ceni. Por que não Hernanes?

Nação do Maior do Mundo;

 

Segundo o diretor financeiro Adilson Martins, em entrevista a Rádio Globo na última quarta-feira, o São Paulo terá R$ 17,5 milhões disponíveis em seu orçamento anual para investir no futebol do clube em 2017.

 

Se considerarmos o montante apenas para aquisição de direitos econômicos (o diretor não esclareceu se o dinheiro incluiria salários, comissões e luvas) há um considerável valor para a chegada de alguém que protagonize o time de Rogério Ceni. Sim, o dinheiro deveria ser investido em um craque, ou de dentro da área ou que atue no meio-campo.

 

Hernanes é o nome ideal. O meia, atualmente sem espaço na Juventus, deverá ser emprestado pela “Velha Senhora”. O Genoa, clube mediano da Bota, mostrou-se interessado em contar com o “Profeta” por um ano, com opção de compra e até parte dos salários pagos pela Juve, de acordo com o jornal italiano Gazzetta Dello Sport.

 

Por que não Hernanes no São Paulo, sua casa? O ambidestro foi decisivo em um São Paulo vencedor de outrora, conhece bem o clube e atua numa posição que beneficiaria Cueva e o ataque Tricolor. Além disso, há motivos extra-campo para a aquisição de um protagonista. Em um ano sem Libertadores o São Paulo precisa manter adimplentes seus Sócios Torcedores. Por que não gerar receita com um ‘ídolo’ já aprovado? Não deve ser nada fácil Hernanes abandonar a boa vida na Italia, mas o São Paulo é muito, muito maior que o Genoa. Não custa fazer uma consulta ou até proposta.

 

Com Hernanes, o São Paulo daria um salto enorme de qualidade.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Cícero chega para jogar e tentar apagar má impressão conquistada na “era Ney Franco”

Nação do Maior do Mundo;

 

Vinte e quatro de outubro de 2014, Copa Sul-Americana. O jogo contra a modesta LDU de Loja estava complicado. A equipe equatoriana havia armado um ferrolho que os comandados de Ney Franco não conseguiam transpor. O jogo caminhava para um empate e Rogério Ceni, goleiro na época, pediu para o treinador colocar Cícero em campo. Ney não aceitou a intervenção e Willian José foi o escolhido. O episódio gerou uma crise que em pouco tempo gerou a demissão de Ney Franco, com farpas públicas entre o ex-treinador e o ídolo da torcida do São Paulo.

 

Quatro anos depois, o ‘pivô’ da crise de 2012 está de volta ao Morumbi. Cícero retorna para rodar o meio campo, chegar ao ataque e auxiliar a transição dos garotos de base do clube. Pelo menos essa é a visão de Rogério Ceni, grande defensor do futebol do ex-Flu desde 2011, quando jogaram juntos por duas temporadas.

 

Em números, Cícero jogará dois anos com salários dentro do teto do clube. Receberá menos que Michel Bastos, por exemplo, porque o Flu aceitou pagar 30% dos seus vencimentos. Será mais um jogador chegando a custo zero, como Wellington Nem e Neílton. Apenas Sidão custou ao clube, cerca de 250 mil junto ao Audax.

 

O torcedor do São Paulo não tem boas lembranças da passagem de Cícero pelo clube. A estigma de ‘polivalente’ não funcionou naquela época e o jogador entregou muito menos que o esperado em um time complicado como era o de Ney Franco, diga-se de passagem. Desta vez, sob a batuta de Ceni, o cenário poderá ser diferente. Cícero deverá jogar ao lado de Thiago Mendes e Cueva, até substituindo o peruano em caso de ausência. Tem chance de apagar a má impressão criada na primeira passagem.

 

Se futebol é momento, Cícero teve bom ano no Fluminense em 2016. Capitaneou o time na conquista da Primeira Liga do Brasil e teve boa performance individual no Campeonato Brasileiro. Que ele venha com espírito de vencedor e ajude o velho amigo, agora treinador, a conquistar um título neste ano.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Júnior será titular do clube em 2017

Nação do Maior do Mundo;

 

Marco Aurélio Cunha, ex-gerente de futebol do São Paulo, sinalizou em uma recente entrevista a Rádio Transamérica, uma importante configuração para o início da temporada do clube: as laterais do campo.

 

O clube confirmou as subidas de Foguete e Junior, multicampeões sub20, para a suplência no setor. Deste modo, sem Mena e Reinaldo (Dener, o nome acertado faleceu no acidente em Medellín), o São Paulo deve iniciar os treinamentos nos Estados Unidos com Bruno pela direita e Buffarini no lado esquerdo. O argentino jogou a última partida do ano na lateral esquerda a pedido de Ceni e foi bem, lembrando que o adversário era o já caído Santa Cruz.

 

Aí vai uma opinião, baseada no que eu vi no sub20 Tricolor: Júnior será o futuro titular na esquerda. Ele foi um dos mais regulares da equipe de Andre Jardine e vem com ‘bônus’ de atuação em onze jogos no profissional do Grêmio de Roger Machado no início do ano. No São Paulo, Junior esteve presente em toda a temporada do Sub20, sendo peça importante nas conquistas da Libertadores, da Copa do Brasil, do Paulistão e da Copa RS. Com o mercado brasileiro escasso de laterais esquerdos (o bola de ouro foi Fábio Santos, aquele), Junior aparece como boa saída para o clube. É só não se perder nas ‘tentações’ da transição base/profissional.

 

Já Foguete, outro vencedor da geração sub20, será um bom suplente em 2017. Bruno e Buffarini são especialistas no setor. Depois de anos derrapando, o São Paulo finalmente conta com jogadores de boa qualidade no lado direito. O clube prioriza a compra de um centroavante, corre atrás de um volante e deseja, em caso de alguma oportunidade, a vinda de um meio-campista.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.