Search Results For : Opinião

Não é hora de falar de Kaká, mas…

Kaká não renovará contrato com o Orlando City. Depois de três temporadas, o meia informou via coletiva de imprensa que não permanecerá em Orlando e aproveitou para agradecer todas as partes pelo apoio e convivência.

 

Das duas uma: ou Kaká em breve anuncia sua aposentadoria do futebol ou deverá se despedir do esporte bretão no São Paulo Futebol Clube. Recentemente o jogador cogitou o clube de coração em entrevista a TV Globo, aumentando a especulação. O clube ainda não toca no assunto por logicamente ser um jogador pertencente a outra agremiação. Além disso, o São Paulo teve sérios problemas com o Orlando City na época do empréstimo de Kaká por seis meses: o clube americano alegou não cumprimento do contrato que previa pagamento de parte da renda do jogo de estréia do camisa oito e acionou o Tricolor na justiça. O caso está em julgamento.

 

Além de todo o problema Orlando/São Paulo, estabelecido na gestão Aidar, há outro agravante. Não é hora do São Paulo falar publicamente sobre planejamento quando o clube ainda corre risco de rebaixamento mas o assunto é inevitável: Kaká foi o melhor jogador do mudo, nasceu no São Paulo e é torcedor do clube.

 

Por enquanto não há nenhuma oferta e o São Paulo tem obrigação de ficar de bico calado mas, por estar fora do Orlando e por recentemente cogitar o retorno ao clube, Kaká obrigatoriamente aparecerá nas manchetes e discussões dos programas esportivos nos próximos dias. Falar, o Tricolor não falará mas certamente já planeja o ano de 2018, com todas as variáveis em pauta.

 

Minha opinião? Pode vir!

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Por incompetência, São Paulo e Atlético hoje brigam para não cair!

Não faltará tensão e emoção no jogo entre Atlético Mineiro e São Paulo no estádio Independência, em Belo Horizonte. Porém, ao invés de estarem brigando na parte de cima da tabela ou até mesmo pelo título do Campeonato Brasileiro, os dois clubes lutam neste momento pela pura sobrevivência na série A do torneio.

 

Recheados de estrelas como Fred, Pratto, Robinho e Hernanes, os dois clubes protagonistas de uma das melhores disputas mata-mata na Libertadores de 2016 hoje sofrem com o mau planejamento dos seus gestores. No caso do São Paulo, a dívida monstruosa e de curto prazo, as eleições realizadas em abril, a mudança de técnico após eliminações consecutivas e a mudança de ‘meio elenco’ em plena temporada são os principais fatores para a atual situação. O Galo, que trocou de técnico duas vezes no ano, também é vítima de séria confusão administrativa. É muito gasto para pouco retorno.

 

Dentro de campo, a expectativa é de um bom jogo. O São Paulo não terá Cueva e Arboleda mas o Atlético não contará com Elias, um de seus principais articuladores de jogadas. É preciso ter muito cuidado com o trio Robinho/Casares/Valdívia mas também vale explorar bem a dupla de volantes Roger Bernardo e Adílson, responsáveis pela saída de bola e proteção da zaga. É o ‘mapa da mina’.

 

É claro que a vitória seria o ideal mas se o Tricolor voltar de Minas Gerais com ao menos um ponto na bagagem, provavelmente não decepcionará seus aficionados. Seria o quinto jogo com pontos somados pelo Tricolor, algo fundamental para estabilizar o clube na árdua luta contra a degola.

 

Meu palpite: 2×1 para o São Paulo. E o seu?

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Vale insistir com Jonatan Gomez?

Sem segredos na escalação do São Paulo para o jogo desta quarta-feira: Jonatan Gomez foi confirmado por Dorival Junior como o substituto de Cueva e será titular na partida diante do Atlético Mineiro, no Independência.

 

O argentino disputou posição com Jucilei, Shaylon, Maicosuel e Thomaz e foi escolhido por se encaixar melhor com a função do camisa dez peruano, segundo o pensamento do técnico. Os chutes de longa distância e a aplicação na marcação renderam a Gomez mais uma chance de mostrar o bom futebol que o fez trocar o colombiano Santa Fe pelo Tricolor. De acordo com Dorival, Jonathan terá liberdade de atacar, tanto pelo meio como pelos lados do campo. “Espero que aproveite bem a oportunidade” – disse o técnico, em entrevista coletiva.

 

É verdade que o argentino está devendo bola para o torcedor, que anda desconfiado de suas qualidades depois de assistir a fraca apresentação diante do Vitória, em Salvador. Jonatan participou de todo o primeiro tempo e errou quase todos os fundamentos contra os baianos. Sua saída, e consequentemente a entrada de Cueva, foi fator decisivo para a vitória Tricolor na ocasião.

 

Apesar da fraca apresentação na Bahia, ainda acho que vale a tentativa: Gomez foi muito bem em sua passagem pela Colômbia e a adaptação ao futebol brasileiro pode estar demorado um pouco mais que o previsto.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Pacto entre Petros, Hernanes, Lugano e Lucas Pratto é bom para o São Paulo!

“Fizemos um pacto para resgatar o São Paulo; ele é muito grande para estar nessa situação”. A revelação de um acordo interno entre as lideranças do elenco do Tricolor foi feita por Petros, em entrevista exclusiva ao Globoesporte.com

 

Com quatro anos de contrato e no início de uma boa relação com a torcida, o volante contratado no meio do ano para o lugar de Thiago Mendes disse que o quarteto ficou responsável por qualquer assunto tratado junto a imprensa. “Se tem que falar algo, que falem conosco porque estamos acostumados com isso e aguentamos.” – disse ele num dos trechos da entrevista. Segundo Petros, isso não diminui a responsabilidade dos demais, mas os líderes não deixarão os mais jovens responderem pelo ambiente durante o restante desta temporada.

 

A entrevista foi ótima e até o momento a atitude vem dando resultado. Não se viu esse tipo de compromisso no semestre passado com Rogério Ceni no comando do elenco. Desde a postura tomada pelo experiente quarteto, o elenco não perdeu pontos nos jogos que atuou contra Vitória, Corinthians e Sport. Foram duas vitórias e um empate conquistado pelo rival graças a um gol Tricolor mal anulado. Petros ressaltou a dedicação de todos os funcionários do CT, diretoria e comissão técnica e revelou a importância de Lugano no vestiário, mesmo fora da titularidade. “São Paulo acima de tudo” é o mantra constante do uruguaio para o grupo.

 

O pacto só não é bom para quem torce contra e isso vale para os clubes concorrentes na tabela, a imprensa marrom e até os são-paulinos que tem prazer em ver o circo pegar fogo. O São Paulo ainda corre sérios riscos no ano e perderá alguns jogos mas o simples fato de estar fora da zona do rebaixamento e ‘trazer’ consigo muito clube para a briga já é um bom sinal de recuperação, também comentado por Petros na entrevista.

 

“No futebol ninguém tem dó de ninguém. Quando há dez times brigando muito próximos, você se obriga a se preparar melhor. Na situação que estamos, é melhor porque ninguém pode vacilar” – disse ele.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Ederson, como tantos outros, é mais uma história do futebol brasileiro

Ederson Santana de Moraes, futuro titular da seleção brasileira no último jogo das eliminatórias para a Copa do Mundo, relembrou um período difícil de sua carreira no CT da Barra Funda, local onde a seleção treina para a partida diante do Chile.

 

O atual goleiro do Manchester City comentou com emoção a sua dispensa do São Paulo, em 2009. Na época com quinze anos, Ederson recebeu a notícia por telefone e chorou muito em sua casa. Pensou em desistir do futebol mas persistiu na escolinha até a oportunidade em Portugal, que mudou definitivamente sua vida. No Benfica, ele foi pivô de uma das transferências mais caras da história do futebol, e foi para a equipe treinada atualmente por Guardiola.

 

É mais uma história do futebol brasileiro, como tantas outras situações envolvendo atletas que não tiveram espaço nos clubes formadores e fizeram (ou fazem) história em outros países. Há mais oferta que procura no mercado, os empresários brasileiros muitas vezes ditam negociações e os clubes grandes geralmente não tem tempo para apostar em todas as promessas que surgem em suas categorias de base.

 

A história de Ederson é comum na maioria dos clubes daqui. Vale lembrar que, no mesmo período que ele atuava na base do São Paulo, um tal Rogério Ceni conquistara uma Libertadores, um Mundial e um tricampeonato brasileiro consecutivo sem receber sequer uma oportunidade decente de continuidade na seleção brasileira.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.