Search Results For : Temporada 2017

OPINIÃO Moto Club 0x1 São Paulo

Nação do Maior do Mundo;

 

O São Paulo cumpriu o dever de clube grande: com gol relâmpago de Gilberto, o time de Rogério Ceni espanta o perigo do novo regulamento do primeiro confronto da Copa do Brasil e volta classificado para a capital paulista.

 

Apesar da vitória, a equipe apresentou um futebol muito aquém da expectativa da torcida que compareceu ao Castelão. Mas é preciso entender que o ano está apenas começando e que Rogério irá rodar os atletas do seu elenco para que todos assimilem em campo o que ele espera do coletivo Tricolor. No jogo de hoje, Denis foi o escolhido no gol (deve permanecer no segundo jogo desta competição), o setor defensivo foi recomposto com Buffarini, Maicon, Rodrigo Caio e Junior; o meio teve João Schmidt, Thiago Mendes e Cícero; Cueva foi o elemento da criação e o ataque foi totalmente novo, com Gilberto e Neílton.

 

O São Paulo acertou a defesa que foi muito vazada diante do Audax e rodou os atacantes. Não teve grandes perigos e se classificou. Não brilhou em nenhum momento mas também não teve a classificação ameaçada pelo empolgado Moto. Cumpriu o dever. Agora o pensamento está 100% voltado ao Campeonato Paulista. Duas pedreiras em seguida: Ponte Preta, com mais de 35 mil no Morumbi, e o Santos novamente na Vila. Paciência e passo a passo até a equipe ideal, no ponto certo.

 

Nota dos personagens da partida:

Denis Quase não teve trabalho diante do ataque adversário. Nota: 6,0

Buffarini Atuando na posição original, melhor que na estréia. Nota: 6,0

Maicon Partida sem grandes sustos. Nota: 6,0

Rodrigo Caio Ganhou todos os lances dos atacantes do Moto. Nota: 7,0

Junior Discreto. Ainda em desenvolvimento. Assistência para o gol. Nota: 6,0

João Schmidt Partida razoável na saída de bola. Nota: 6,0

Thiago Mendes Correu bastante mas ainda não rendeu um bom jogo. Nota: 5,5

Cícero Fez uma boa partida, sem brilhos. Bem na bola aérea. Nota: 6,0

Cueva Tentou as melhores jogadas mas afunilou muito no meio-campo. Nota: 6,5

Neílton Apesar de algumas chances no primeiro tempo, partida fraca. Nota: 5,0

Gilberto Autor do gol da vitória e de outro, só que perdido. Nota: 7,0

Chavez Entrou no lugar de Gilberto e teve poucas oportunidades. Nota: 6,0

Shaylon No lugar de Cueva, participou pouco mas tentou boas jogadas. Nota: 6,0

Araruna Manteve a pegada do meio-campo. Nota: 6,0

 

Rogério Ceni Cumpriu o dever da classificação. Roda o time, conforme anunciado algumas vezes nas coletivas. Está à espera de Pratto e Jucilei. Nota: 6,0

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Os iminentes perigos do novo regulamento da Copa do Brasil

Nação do Maior do Mundo;

 

São Luís está em festa e fez uma recepção de ouro para o São Paulo Futebol Clube.

 

Não era de se esperar outra coisa. O clube não realiza uma partida oficial no Maranhão desde a goleada sobre o Sampaio Corrêa no dia 20 de janeiro de 1998, em jogo válido pela mesma Copa do Brasil, competição que coloca o Moto Club frente a frente o Tricolor.

 

Naquela época a equipe era dirigida por outro mito, Darío Pereyra, e foi escalada com Rogério Ceni; Edmilson, Márcio Santos, Zé Calos e Marcelinho Paraíba; Fabiano, Capitão, Alexandre Galo e Denilson; Aristizábal e Dodô.

 

O jogo hoje poderia ser bem mais tranquilo não fosse o novo regulamento para as primeiras partidas da competição mais brasileira do país. O São Paulo enfrentará um adversário pronto para o tudo ou nada, um estádio diferente com um gramado mais alto daquilo que está acostumado. Tudo isso em uma partida só! É a primeira vez que jogos “mata” acontecem na Copa do Brasil e a tendência é que um ou mais grandes possam ficar no caminho, mesmo com a vantagem do empate.

 

Todo cuidado é pouco, mas a equipe de Rogério Ceni, apesar da péssima estréia no Paulista, não jogou para perder em Barueri. Tirando o começo avassalador do Audax, que em 10 minutos fez dois gols, o restante do jogo foi equilibrado, com bom domínio de bola Tricolor. Perdemos na eficiência, coisa que não podemos nem pensar em deixar de ter no Castelão.

 

Já estou em São Luis e acompanharei a partida junto com a torcida do Maior do Mundo. Tem que apoiar e acreditar num bom ano… Que seja um belo jogo para a cidade, e que o São Paulo volte para casa sem sustos.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

As situações atuais de Jucilei e da ‘surpresa do dia’ Lucas Pratto

Nação do Maior do Mundo;

 

Segue nesse texto as situações atuais dos atletas Jucilei e Lucas Pratto, cogitados para vestir a camisa do São Paulo em 2017:

 

Jucilei – O atleta tem acordo com o São Paulo faz muito tempo. A retomada do interesse do Tricolor pelo volante foi revelada em dezembro, como uma das opções alternativas a Felipe Melo. Os chineses demoraram para avançar com a negociação porque, além do ano novo chinês, o Atlético Mineiro havia entrado na parada com cerca de um milhão de reais pelo empréstimo. Jucilei bateu o pé para jogar no São Paulo, o Galo trouxe o bom Elias e o caminho ficou livre, desde que o Tricolor igualasse a oferta feita pelos mineiros ao Shandong. Aparentemente essa oferta foi igualada e o jogador deverá vestir a camisa do Maior do Mundo até o fim de 2017. Já até cantou o hino

 

Lucas Pratto – O atacante também é sonho antigo do atual mandatário do São Paulo. Ano passado o Atlético recebeu uma forte sondagem e seu presidente entrou em acordo com Leco para a não negociação naquele momento. Agora, além da informação de Caio Ribeiro, segundo uma fonte fora do futebol e próxima a um fundo de investimentos, o contrato de Pratto com o São Paulo já estaria até na mesa do presidente Tricolor e há chance de bom desfecho. Pratto é um dos atacantes pretendidos na lista de centroavantes do São Paulo, divulgada no blog meses atrás.

 

Opinião: não tem como questionar a capacidade dos dois atletas que, sem a menor sombra de dúvida, mudariam o patamar do elenco Tricolor no ano. Porém, prudência e Renato Gaúcho feeelings não fazem mal a ninguém: só comemoro com ambos vestindo a camisa, treinando e participando do apito inicial de um jogo. Será que serão apresentados no domingo? Torço para isso.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

OPINIÃO Audax 4×2 São Paulo

Nação do Maior do Mundo;

 

Não foi a estréia que o torcedor do São Paulo imaginava. Descompactada e repleta de erros defensivos, a equipe de Rogério Ceni sucumbiu diante do melhor conjunto do Audax e saiu da esvaziada Arena Barueri com uma significativa derrota.

 

Apesar do placar elástico, não vi domínio do Audax em cima do São Paulo. A equipe de Osasco fez a diferença nos lances capitais, contrastando com as bobeadas defensivas e a falta de compactação do Tricolor. A dupla de zaga Douglas/Maicon não se entendeu e Rodrigo Caio, que foi bem como zagueiro no ano passado, jogou boa parte da partida como primeiro volante. Creio que isso será corrigido com a iminente chegada de Jucilei. Foram quatro gols de tudo quanto é jeito: bobeada com a bola rolando, bobeada com a bola parada, pênalti infantil e “até” gol fruto de ótima jogada do adversário. Deu para ver claramente que o time arriou do meio do segundo tempo em diante. Nos poucos minutos que a equipe foi compacta, ela correspondeu.

 

Foi doído e nunca será normal perder assim de um time pequeno, mas quem entende de futebol já sabia a dureza que seria a partida. Nem céu nem inferno: não podemos endeusar nem crucificar ninguém no primeiro jogo da temporada regular. Ganhar o Paulista é muito difícil mas eu acredito que esse time ainda vai evoluir nos próximos jogos. Mas é preciso reforçar o elenco com mais um ou dois nomes de qualidade.

 

Nota dos personagens da partida:

 

Sidão Estrear com quatro gols não é bom para nenhuma goleiro. Nota: 4,5

Bruno Era para ele estar marcando de cabeça na bola parada? Nota: 4,5

Maicon Assim como todo o sistema defensivo, foi mal. Nota: 4,5

Douglas Desentrosado e sem ritmo de jogo. Falhou muito. Nota: 3,5

Buffarini O pior em campo. Uma atuação para esquecer. Nota: 3,0

Rodrigo Caio Melhorou quando voltou a ser zagueiro. Nota: 5,5

Thiago Mendes Tímida partida de alguém que será o motor do time. Nota: 5,0

Cueva Discreto no apoio. Boa cobrança no travessão. Nota: 5,5

Wellington Nem Saiu logo no início do jogo. Sem nota.

Luiz Araujo Muito pouco em campo. De novo, escolhas erradas. Nota: 4,5

Chavez Dois gols, algumas chances desperdiçadas e muita luta. Nota: 7,5

Cícero Entrou no lugar de Nem e virou até homem de área no fim do jogo. Nota: 5,0

João Schimdt Outro que foi apenas mais um no meio. Nota: 5,0

Gilberto Entrou no desespero, para bolas aéreas. Nota: 4,5

 

Rogério Ceni “É bom para cairmos na realidade” – disse Rogério na coletiva. Estréia ruim no início de sua trajetória. Mesmo com o ‘perigo’ da estréia, o time não poderia perder por um placar tão elástico. O time não foi compactado como deveria e não pressionou a saída de bola como deveria e deixou o adversário jogar a vontade. Como disse: não é o céu e nem é o inferno. Nota: 4,5

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Caso Rogério: Ceni tenta reparar erro cometido por Edgardo Bauza em 2016

Nação do Maior do Mundo;

 

Alô, Rogério? Aqui é Rogério Ceni e contamos com você aqui de volta no Tricolor” – Não foram exatamente essas as palavras, mas o sentido é igual. O técnico gostaria de compensar a saída de David Neres antecipando a volta do seu xará, emprestado ao Sport até 31 de abril.

 

A negociação do “Neymar do Nordeste” se deveu ao fato dele constantemente não ter sido aproveitado em sua posição original no tempo em que Edgardo Bauza esteve no Tricolor. Não tinha jeito: o argentino insistia em colocar Rogério na armação das jogadas, matando a explosão das suas jogadas. De tanto jogar na tentativa de armar o meio-campo, o atacante perdeu a paciência, inventou uma desculpa qualquer e se mandou para Pernambuco.

 

Para mim, um grave erro de avaliação de Bauza naquela época. Rogério foi decisivo atuando pelos lados em vários jogos de 2015, inclusive marcando o gol que deu a classificação a Libertadores contra o Goiás, em Goiânia. O Sport está na dele e quer uma compensação para liberar o atleta. Wellington? Ceni não gostaria de perder o volante. Dinheiro? Duvido que o São Paulo tire o escorpião do bolso. Em caso de permanência de Rogério até maio, o jovem Caíque está de sobreaviso.

 

Cenas dos próximos capítulos…

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.