Search Results For : Opinião

Daniel Alves, a liberdade de expressão e o “festival” da imprensa brasileira

Dani Alves se posicionou sobre diversos assuntos após o empate diante do CSA. Entre muitas coisas ditas logo após o término da partida, uma frase chamou a atenção dos profissionais que trabalham com o futebol: “a maioria da imprensa nunca jogou futebol”.

 

Para entender o que foi dito, é preciso buscar o trecho completo, publicado no Globoesporte.com: “Eu sou um jogador que posso ajudar meus companheiros a serem muito melhores do que são. Eu jogando como lateral passo muito tempo sem pegar na bola, é difícil você fazer seus companheiros jogarem melhor, criarem situações, mas evidente que a imprensa não vai saber disso porque nunca jogou futebol. Não é crítica não, respeito que você joga futebol, não sei se joga bem (risos). Não temos que nos posicionar em relação ao que a imprensa fala. Temos que ser corretos no que queremos oferecer e no que vamos brigar, se não gera instabilidade que normalmente a imprensa está para isso. Não estou criticando, estou sendo honesto, a imprensa sempre está para gerar um certo desconforto e debates. Não podemos gerar debates. O Dani é jogador do São Paulo e vai ajudar o São Paulo.” – disse ele.

 

A explicação dita por Dani Alves foi muito interessante e enriquece o assunto lateral ou meia, mas infelizmente o que pegou foi a frase em relação à imprensa, muitas vezes explorada e retrucada fora de todo o contexto dito pelo jogador. Dani não quis provocar jornalistas, não quis descontar o empate em terceiros e não deu desculpas após o tropeço. Ele deu sua versão sobre a nova realidade vivida no São Paulo e no Brasil. Usou a liberdade de expressão prevista na constituição brasileira para todos os cidadãos brasileiros.

 

O fato é que muita gente não entendeu o contexto geral da declaração. Não há demérito nenhum no profissional que atualmente trabalha no futebol não ter vivido a experiência de ser atleta profissional. Eu mesmo sou um dos que nunca jogou profissionalmente e não me senti atingido, ainda mais observando o contexto em que foi dita a declaração. É função da imprensa ler os jogos, reportar os fatos e imprimir sua versão da história toda. A maioria dos profissionais que conheço estuda futebol e enriquece a discussão sobre o esporte, mas obviamente existem alguns que promovem um exagerado “festival” de debates com o objetivo de reter audiência ou conquistar cliques, sem exatamente expor o conteúdo da forma que foi dito ou escrito. Esses são parte de um nicho bem evidente e estão dentro dos seus direitos de expressão e forma de se comunicar. É responsabilidade do torcedor filtrar o que deseja ler, assistir ou ouvir. Ele tem o “controle remoto”. Simples.

 

Com relação à declaração, concordo com a opinião dada por Dani Alves sobre seu posicionamento em campo. Ele é de fato o maior lateral do mundo, mas jogando na linha defensiva, pouco contribui com seu talento e visão de jogo acima da média. Na minha opinião, ele deveria jogar ao lado de Hernanes ou na função que hoje é feita por Antony. Vale dizer que Cuca precisa ampliar o repertório tático para que o São Paulo possa extrair o melhor dos seus jogadores. O caminho do São Paulo passa por isso.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Sem resultados em campo, Cuca já está sob a mira da torcida Tricolor

Primeiro turno finalizado, trinta e dois pontos, sexta colocação na tabela e um futebol que até agora não convenceu. Este é o resultado dos primeiros meses de Cuca a frente do São Paulo.

 

Pior que os excessivos empates que estancaram o clube na sexta posição e a dez pontos do líder da competição, é o rendimento dentro de campo. O São Paulo continua um dos piores ataques da série A e a falta de repertório ofensivo já incomoda boa parte da torcida.

 

Na minha opinião não é hora para troca de técnico. Já vimos esse filme várias vezes nos últimos anos. O São Paulo foi extremamente dilacerado pelas contusões nos últimos meses: Hernanes, Pablo, Pato, Toró, Everton e Liziero desfalcaram o clube por várias rodadas e Cuca não abriu o bico, mesmo questionado sobre o departamento médico. Agora, com todos os jogadores praticamente à sua disposição, os olhos do torcedor certamente se voltarão ao treinador.

 

É um fato que o São Paulo precisa mostrar mais ao seu torcedor e com este elenco entregue a Cuca, a ida direta a Libertadores é uma obrigação. Que o padrão e a eficiência sejam vistos o mais rápido possível, já a partir do primeiro jogo do returno, para o bem de todos, principalmente o mais fraco elo do futebol: o treinador.

 

Faltou jogador, mas também faltou repertório em muitos jogos.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

OPINIÃO: O primeiro turno do Tricolor no Brasileirão 2019

Sexta colocação, oscilação, complexo de ‘Robin Hood’ e empates em excesso. Este foi o raio-X do São Paulo no primeiro turno do Campeonato Brasileiro. Apesar da boa colocação na tabela, motivo para não se pensar em luta contra rebaixamento como em outros anos, não há o que comemorar nesta primeira parte de competição.

 

O time oscilou muito nos dezenove primeiros jogos. As boas vitórias contra o Santos até então líder na ocasião e diante do Athletico PR (com time titular e tudo) na Arena da Baixada contrastaram com empates enfadonhos diante de candidatos ao descenso, proporcionando uma montanha-russa típica de time que não consegue brigar pela ponta.

 

O segredo do insucesso foi o péssimo aproveitamento em casa. O Tricolor foi o clube que mais empatou no torneio até esta metade de tabela. Foram oito jogos terminados em igualdade, seis deles como mandante. Pior: três desses oito empates foram contra atuais clubes na zona de rebaixamento: Cruzeiro, Avaí e CSA. O São Paulo ostenta a vexatória oitava melhor campanha como mandante, com 18 pontos conquistados em 30 possíveis. Se tivesse feito a lição de casa, fatalmente o Tricolor estaria entre os três primeiros do torneio.

 

As contratações vieram, principalmente Dani Alves e Juanfran que teoricamente acabariam com o problema crônico da direita Tricolor. Porém, o encaixe do time não se concretizou até agora. As múltiplas contusões pesaram bastante nos últimos jogos, mas a falta de repertório tático também chama a atenção em cima de um elenco que classifico como bem melhor que o do ano passado.

 

Salvo um milagre como o de 2008 (quando o São Paulo encerrou o turno a 11 pontos do líder Grêmio e levou o caneco), o título do Brasileirão já não faz mais parte da meta Tricolor neste ano. Para um milagre acontecer, seria necessário não perder mais pontos bobos em casa, ganhar consideráveis jogos-chave fora (leia-se Flamengo, no Maracanã e Palmeiras, no Allianz) e principalmente mostrar um futebol convincente, capaz de gerar a confiança e sintonia já perdida com a torcida. Vale dizer que teremos um turno bem diferente, com dezenove jogos resolvidos em pouco mais de dois meses. O calendário se achatará e teremos jogos de segundas e quartas, além de datas FIFA e torneios paralelos.

 

Veremos como se comportará o elenco neste início de returno. Adianto que o trabalho de Cuca e dos atletas, antes contemporizado pelas graves ausências, está sob observação desde o empate deste último domingo, já com todos os titulares à disposição. Há nítida dificuldade de variação de jogo e pontaria. A nota deste primeiro turno é “6,0” e, se considerarmos que é o São Paulo, pode cair para “5,0 ou 4,5“. Mesmo diante das circunstâncias, o elenco pode oferecer muito mais que está oferecendo.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Ninguém é melhor para falar em nome do São Paulo na Europa que Raí

O Globoesporte.com divulgou mais uma viagem do diretor de futebol do São Paulo a Europa. Desta vez, os países e clubes não foram revelados mas a intenção de Raí continua a mesma: se reunir com clubes e dirigentes, expandindo contatos e buscando futuros negócios para o Tricolor.

 

Sendo bem claro: hoje em dia, ninguém é mais adequado para representar o São Paulo na Europa que o eterno e mais icônico camisa dez da história do clube. Além de ser figura reconhecida no velho continente, Raí tem ótima entrada pelo histórico adquirido como jogador no PSG. Lembrando que a última visita a negócios do diretor gerou polêmica entre os torcedores mas rendeu a chegada de Dani Alves ao clube. Raí negociava em segredo e pessoalmente com o hoje camisa dez do Tricolor.

 

Apesar de ter errado em algumas contratações, Raí hoje representa o que há de mais adequado para o São Paulo: ex-jogador consagrado, identificado com o clube que trabalha e alinhado com as necessidades do futebol moderno, tal qual Leonardo no Milan, Marc Overmars no Ajax, entre outros nomes. Com a vantagem de receber um salário condizente com sua reputação.

 

Errar e acertar faz parte do difícil trabalho do futebol. Jogadores que esperava-se muito, como Diego Souza e Nene, não deram resultado e atletas pouco conhecidos como Arboleda e Bruno Alves caíram no gosto do torcedor. O importante neste cargo é trabalhar para minimizar os erros e criar um ambiente de confiança no setor, atraindo bons jogadores para atuar pelo clube e trabalhando para que a instituição não fique defasada em relação a realidade que é o mercado de hoje do futebol mundial.

 

Entre erros e acertos, acredito que Raí vem cumprindo bem o papel.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Dani Alves na lateral ou no meio? Confira duas escalações para o jogo:

O São Paulo treinou com portões fechados para a imprensa nesta sexta-feira. Cuca manteve segredo sobre quem irá escalar para enfrentar o CSA no próximo domingo às 19h, no Morumbi mas há indícios de uma escalação bem modificada para o confronto.

 

Segundo o jornalista Eduardo Rodrigues, setorista do São Paulo pelo Globoesporte.com, há chances de Dani Alves voltar a sua posição original, a lateral direita. Ele comporia a linha defensiva ao lado de Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo. Para o meio campo, o setorista indicou o trio Liziero, Tchê Tchê e Everton, este atuando centralizado, como fazia nos tempos de Paraná Clube. No ataque, Antony e Pablo voltariam, ficando dúvida sobre Pato ou Raniel. Caso Raniel continue no time, Pablo deve jogar mais pela esquerda.

 

Cuca pretende contar com um meio leve  e laterais ofensivos para agredir o time alagoano a partida toda. Deste modo o time seria este: Thiago Volpi, Dani Alves, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo. Liziero, Tchê Tchê e Everton. Antony, Pablo e Pato (Raniel). 

 

Existe também uma segunda possibilidade de escalação, esta mais alinhada com os últimos jogos. Isso é, ainda com Dani Alves no meio-campo: Thiago Volpi, Juanfran, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo. Liziero, Tchê Tchê e Dani Alves. Antony, Pablo e Pato (Raniel). 

 

Nenhuma das duas possibilidades de escalação contará com Hernanes desde o início. O profeta provavelmente será relacionado para o jogo mas não deve começar a partida como titular. Minha opinião: gostaria muito de ver Dani Alves na direita e prefiro testar Everton ou até mesmo Igor Gomes no meio, caso Hernanes ainda não esteja totalmente pronto.

 

Para acessar outras notícias do Blog São Paulo Sempre clique aqui.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.