Search Results For : Opinião

A matemática do ingresso acessível

Nação do Maior do Mundo;

 

Seguem os dez maiores públicos dos times de série A em 2016 até o momento:

 

  1. São Paulo x A. Nacional (61.766 pessoas) derrota
  2. São Paulo x A. Mineiro (61.297 pessoas) vitória
  3. São Paulo x Chapecoense (54.996 pessoas) empate
  4. Flamengo x Palmeiras (54.665 pessoas)
  5. Flamengo x Corinthians (54.250 pessoas)
  6. São Paulo x Corinthians (53.781 pessoas) vitória
  7. São Paulo x Toluca (53.241 pessoas) vitória
  8. São Paulo x River Plate (51.342 pessoas) vitória
  9. Cruzeiro x Grêmio (50.715 pessoas)
  10. São Paulo x Ponte Preta (49.673 pessoas) vitória

 

Diante dos números não há contra-argumentos: o Tricolor está presente em sete dos dez melhores públicos neste ano no Brasil. Claro que o clube foi ‘beneficiado’ com a chegada até as semifinais da Libertadores e com os ingressos mais baratos na reta final do Brasileirão, mas casa cheia é casa cheia e eu não fico torcendo para quem tem o ingresso mais caro ou para quem tem o estádio mais moderno. Minha vontade é e sempre será ver o torcedor do são-paulo lotando o Morumbi. E com ingresso a um preço acessível o povo comparece, independente da fase ou da qualidade do time.

 

Que nossa diretoria tome isso como norte para definir a política de preços no ano que vem. Não tenho dúvida que, com casa cheia, a cada dez jogos no Morumbi pelo menos sete a gente vence, mesmo com um time mais ou menos. Minha sugestão de preços é R$ 10,00 (arquibancadas atrás do gol), R$ 20,00 (arquibancadas azul e vermelha), e R$ 40,00 cadeiras. Para ST a metade disso. No resto dos locais pode ter preço para todos os gostos, até para os camarotes open bar, para quem gosta de jogo balada. Sem preconceito.

 

O Ponto é: o clube precisa rentabilizar com casa cheia, e não com o Morumbi meia bomba. E rentabilizar não é só com os ingressos e sim com o consumo interno e uma atmosfera quente, vibrante e que favoreça vitórias. Destes sete ótimos públicos no Morumbi, o Tricolor venceu cinco.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

OPINIÃO São Paulo 4×0 SCCP

Nação do Maior do Mundo;

 

O troco de 2015 foi dado. Com uma atuação coletiva intensa e show a parte do peruano Cueva, o São Paulo ameniza o péssimo ano e dá uma grande alegria para os mais de cinquenta mil torcedores no infernal e efervescente Morumbi.

 

O São Paulo foi do primeiro ao último minuto do jogo o único protagonista. Com muita intensidade e uma marcação forte desde a primeira linha, a equipe envolveu totalmente o adversário e em nenhum momento teve a vitória ameaçada. Ricardo Gomes acertou na escalação e cumpriu a promessa de jogo intenso, conforme indicou Pintado durante a semana. A equipe entendeu e fez a melhor partida coletiva do Brasileirão e uma das melhores do ano. Foi para lavar a alma.

 

Vou explorar três pontos diferentes do usual. O primeiro ponto é que o time jogou muito bem, mas só ganhou desse jeito porque a torcida compareceu em peso e apoiou os jogadores o tempo todo, independente da fase. Qualquer equipe que joga contra o São Paulo com casa cheia no Morumbi sente, não tem como. Isso é mais uma prova do que sempre falo com os diretores: os nosso ingressos deveriam ser SEMPRE populares. Não precisa ser todo jogo a R$ 10,00 mas não dá para fazer o espetáculo que o torcedor fez usando o padrão de ter ingresso caro. Temos estádio próprio e todas as condições de ganhar renda com outras coisas que não sejam a bilheteria.

 

Outro ponto: que partida fez o peruano Cueva. Um gol (cavadinha) e três assistências. Isso porque o mito do Cartola dessa rodada disse que estava cansado neste período do ano. Imagina se tivesse descansado… Um achado esse cara e creio que pode fazer história no clube. Num paralelo com PH Ganso, Cueva é menos ‘genial’ com a bola nos pés, só que eu nunca vi o ex-camisa dez são-paulino (atualmente no Sevilla) fazer o que o peruano fez em um jogo só, durante toda sua passagem pelo Tricolor. Isso não é uma crítica ao Ganso; é um super elogio ao Cueva e Majestoso é com ele. Atenção, diretoria: dê muito descanso ao menino nessas férias!

 

Por último, mas não menos importante: vamos respeitar e apoiar o Chavez. Sim, perdeu um gol feito, mas lutou muito (como vem lutando) mesmo não jogando na sua posição mais confortável, que é o lado direito, onde fez o terceiro gol. Se eu tivesse o poder da caneta no Tricolor Chavez ficaria mais no clube, até mesmo no lugar do Centurión, por que não? É jogador de grupo e tem uma disposição que poucos brazucas tem por aqui. Ótimo para o elenco em 2017.

 

Enfim, o torcedor tinha o direito de passar um fim de ano menos tenso e tem que comemorar muito neste domingo. Que o time continue jogo a jogo com esse espírito coletivo e fecharemos a temporada com esperanças para o ano que vem. Mas é preciso se reforçar, se quiser títulos. Esse é o foco!

 

Nota dos principais personagens da partida:

 

Denis Pouco exigido. Tranquilo no jogo. Nota: 7,0

Buffarini No geral foi bem. Precisa acertar mais a marcação. Nota: 7,0

Maicon Paredão. Só precisa maneirar nos lançamentos. Nota: 7,0

Rodrigo Caio Partida excelente. Colocou o ataque rival no bolso. Nota: 7,5

Mena Não é um primor, mas a raça contagia. Bom papel. Nota: 6,5

João Schmidt Amarelado no início do jogo, não comprometeu. Boa partida. Nota: 7,5

Thiago Mendes Bom jogo no meio, saindo com mais qualidade. Nota: 7,0

Cueva Uma das melhores atuações individuais dos últimos 5 anos. Nota: DEZ!

Kelvin Incisivo e rápido. Sofreu o pênalti. Saiu lesionado. Nota: 7,5

David Neres Ótima atuação e estrela no primeiro gol num clássico. Nota: 9,5

Chavez Lutou e foi premiado com um golaço. Ótimo jogador para elenco. Nota: 9,5

Luiz Araújo Premiado com o último gol. Nota: 8,0

Wesley e Pedro Sem nota.

Ricardo Gomes Acertou na escalação. Ótimo jogo! Nota: 9,0

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Buffarini ou Wesley na direita? Escale aqui o seu Tricolor para o clássico!

Nação do Maior do Mundo;

 

Majestoso com casa cheia e clima de decisão no Morumbi. Neste sábado às 19h30 São Paulo e Corinthians medem forças em mais um jogo do Campeonato Brasileiro. E o torcedor do tricolor ainda não sabe a escalação do jogo.

 

Ricardo Gomes como de costume não revelou a equipe que entrará em campo. A única ‘novidade’ é Gilberto relacionado após ausência por lesão e opção técnica. Segundo o auxiliar técnico Pintado, o São Paulo fez durante a semana um trabalho de recuperação física para preservar os atletas e garantir intensidade nos noventa minutos de jogo. Na minha opinião o Tricolor não pode abdicar de Buffarini. A experiência do argentino em um jogo desse naipe pode ser uma arma a mais para o time. O clube precisa da vitória para se distanciar de vez da chance de degola.

 

Deste modo e sem segredos, meu time em campo seria Denis, Buffarini, Maicon, Rodrigo Caio e Mena. João Schmidt, Thiago Mendes e Cueva; Kelvin, David Neres e Chavez. Vou dar mais um voto de confiança para Kelvin, Chavez e João Schmidt, que nos últimos jogos estão devendo bola.

 

Qual é o seu time? Veja os relacionados e dê a sua escalação nos comentários do blog.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

Análise de um ano que precisa servir de parâmetro para grandes mudanças

Nação do Maior do Mundo;

 

A derrota doída para o ex-lanterna da competição na última segunda-feira pelo menos traz algo de bom para o São Paulo Futebol Clube e seus torcedores: trás de volta para o chão todos (ou quase todos) aqueles que achavam que o G6 estava próximo e a base, como num passe de mágica, seria a solução de todos os problemas estruturais do elenco. O típico e soberbo pensamento “o campeão voltou” dos últimos anos.

 

A derrota de ontem, mas foi reflexo de um São Paulo que teve problemas demais no futebol neste ano e precisa de muitas mudanças para 2017. O clube montou um time no início do ano com poucos recursos e chegou longe na Libertadores, principal competição do ano, mas vendeu seus principais jogadores e, se não vencer um dos próximos dois jogos em casa, sofrerá até o último jogo para se garantir na série A.

 

Não tenho nada contra a pessoa de Ricardo Gomes. Deve ser uma pessoa muito legal e certamente é íntegro na sua profissão. Mas não o vejo no banco de reservas de um clube com tanta pressão atual como o Tricolor. Inclusive, o jornalista Jorge Nicola afirma que caso a equipe não conquiste a Libertadores de 2017, Gomes sairá do cargo e provavelmente continuará trabalhando no clube, como cargo de diretor de futebol ou algo assim. Seria o ideal.

 

No plantel titular, sem rodeios: a equipe precisa de cinco a seis jogadores titulares para ontem. Um atacante de área, um pelos lados, um bom volante, um meia armador, um lateral esquerdo e um… goleiro. O ataque preocupa, é o terceiro pior entre 20 equipes. O clube se desfez de Kardec, Kieza e emprestou Rogério, além de encerrar com Calleri. Neres deve ser mantido para ganhar confiança mas Kelvin não ficará em 2017. É preciso pensar em alternativas alem de Robson, que terá meio ano para tentar provar capacidade. O mesmo com Jean Carlos, que encerrará contrato no meio do ano que vem. O nome para o meio é Lucas Fernandes, mas estamos falando de uma temporada inteira. Eu iria atrás de um meia experiente para conduzir o time ao lado do jovem que voltará de grave lesão.

 

Mena teve bom desempenho nesses três últimos jogos, mas não deve ficar. O setor precisará de um reforço que poderá ser o Rene, do Sport. Para o meio-campo, eu estudaria a contratação de alguém com mobilidade para brigar posição com João Schmidt e Thiago Mendes. Richelly, outro do Sport, é nome de preferência de Leco.

 

Por fim, o gol. Denis não é um mau goleiro, mas deveria ser mais constante. Penso que a contratação de um goleiro de primeira linha do futebol brasileiro poderia acirrar uma posição que não pode ser ocupada apenas por um goleiro ‘bom’. Me lembro que o São Paulo do fim dos anos oitenta era até bem servido com Gilmar, mas o clube contratou Zetti, acirrou a posição, Gilmar saiu e deu no que deu. Zetti é um dos maiores nomes da posição na história do clube.

 

Enfim, que este ano seja parâmetro para grandes mudanças no São Paulo, a começar com a volta do filosofia de vanguarda que tanto marcou esse clube, onde todos pensavam num bem comum e não em interesses próprios. Falamos neste texto apenas o âmbito do futebol, mas em abril teremos eleições no clube e o andamento de um estatuto que não será a “Pedra de Roseta”, mas com a ajuda de emendas pontuais poderá melhorar gestões e procedimentos que até então não são compatíveis com o futebol atual.

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.

OPINIÃO América MG 1×0 São Paulo

Nação do Maior do Mundo;

 

A noite das Bruxas foi completa no Estádio Independência. Incompetente em todos os seus setores, o São Paulo sucumbiu diante do América MG e viu o adversário vencer o duelo pela primeira vez na história.

 

A escalação de Ricardo Gomes foi o que eu esperava e a equipe até se comportou bem em campo, com bom domínio e chances perdidas até o gol tomado, fruto de três falhas inconcebíveis: Wesley perdendo uma bola fácil na frente, Maicon tomando um balão e Denis levando mais uma bola defensável. Depois do gol mineiro o que se viu em campo foi uma equipe desorganizada, tentando empatar na base do abafa na área e no levantamento para quem estiver na área. Um festival de gols perdidos em todos os momentos do jogo, e de todos os naipes: na frente do goleiro, na bola aérea, na base do Bumba meu Boi… Ricardo Gomes contribuiu com a lambança Tricolor, mexendo mal na equipe.

 

Se não foi o resultado que o torcedor esperava, pelo menos a derrota serviu para baixar a bola de muita gente que se ilude com extrema facilidade. Continuamos batalhando pelos 45 pontos, que é o que a equipe pode e merece, e ponto. Nada de devaneios de G6, G7, campeão voltou… O time é limitado e os jovens não são a salvação da lavoura, muito menos o supra sumo do futebol praticado no Brasil. Muita calma.

 

O fato é que o São Paulo em nenhum momento conseguiu engatar no campeonato e não seria agora que daria uma arrancada avassaladora. Os jovens são promissores, vão amadurecer e em breve saberemos quem aguenta o tranco e quem é opção de elenco, mais especificamente no Paulista. Creio em Neres e Lucas Fernandes nessa equipe titular, mas é cedo para cravar. Vamos atrás desses pontos que faltam no Morumbi que dá perfeitamente para terminar o ano com um mínimo de dignidade.

 

Notas dos personagens da partida:

 

Denis Falha gritante na única bola que foi nele. Nota: 3,0

Wesley Falha no início da jogada do gol do América. Discreto no apoio. Nota: 4,5

Maicon Falha gritante no quique da bola do gol do América. Nota: 4,0

Rodrigo Caio Bem na defesa, perdeu gols de cabeça na área do América. Nota: 5,5

Mena Começou muito bem, mas depois do gol sumiu. Nota: 5,0

João Schmidt Dificilmente erra passe mas esteve pouco inspirado. Nota: 4,5

Thiago Mendes Correu, lutou mas não fez grande diferença. Nota: 5,5

Cueva O melhor da equipe. Tentou de tudo, às vezes jogando sozinho. Nota: 6,5

David Neres Perdeu gols feitos mas não cansou de lutar. Nota: 4,5

Kelvin Pouca produtividade nessa reta final de São Paulo. Nota: 4,0

Chavez Outro que não desiste, mas tá numa má fase desgraçada. Nota: 4,5

Pedro Entrou e embolou. Nota: 4,0

Luiz Araújo No desespero, pouco rendeu. Sem nota.

Ricardo Gomes Escalou bem, mexeu mal. Nota: 4,5

 

Saudações Tricolores!
Daniel Perrone | São Paulo Sempre!

Me siga no Twitter
Me siga no Facebook
Me siga no Instagram

Post aberto para comentários.